BEM VINDO E OBRIGADO PELA VISITA!

quinta-feira, 21 de junho de 2018

Felisita Hau Nia Primeiro Ministro Timor-Leste Na'i Taur Matan Ruak


“HAMUTUK HAMETIN NASAUN”

Na’i Taur Matan Ruak,

Wa’in haksolok ho dekretu Prezidente Republika n.̊ 18/2018 nebe nomeia ona na’i atu kaer kna'ar nudar Primeiro Ministro ba Oitavu Guvernu Konstitusional Timor-Leste. Ho biban murak ne’e, hakarak hato’o hau nia “calorosas felicitações” no “votos de sucesso” ba kna'ar foun nebe mak povu maubere fo-fiar ba ita-bo’ot.

Hametin hau nia fiar-an ba ita-bo'ot nia kbi'it no kapasidade iha ukun hamutuk ho estrutura guvernu hodi dezenha politika dezenvolvimentu no hamta'uk kumprimisu nebe ma’ak ita aprezenta ba povu liu hosi kampanha eleitoral. 

Ba Hau Nia Primeiro Ministro, Na'i Taur Matan Ruak, POVU HEIN HO ESPETATIVA ba ita-bo’ot nia ukun, ho neon, ho matenek no ho responsabilidade, nune’e “trilogia AMP” nebe “hakloran“ metin bele fo folin no tulun Timor-Leste hodi hasoru no ultrapasa dezafiu hirak nebe preocupante tebes em prol ba Libertasaun Nasional, ba Patria no ba Povo.

Dala ida tan felisita, aprezenta, ba Na’i Primeiro Ministro, hau lian-murak no konsiderasaun wa'in. 

Ukun-ba ho di’ak!

Ata-oan sidadaun
Dalia Kiakilir
Oxford, 21 Junho 2018

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Cozinheiro português procura promover "genuína gastronomia" de Timor

Recuperar receitas e sabores autênticos de Timor-Leste é o desafio do cozinheiro português Luís Simões, que pretende contribuir para "criar uma genuína gastronomia timorense" com o livro "Sabor de Timor", que é lançado esta quarta-feira em Lisboa.

A trabalhar há cinco anos em Timor-Leste, Luís Simões constatou que a cozinha quotidiana timorense é muito influenciada pelas gastronomias indonésia e portuguesa.

No livro "Sabor de Timor - Um Tributo à Cozinha de Timor-Leste", escrito em português e tétum, o 'chef' procurou "regressar às origens, criando ou recriando pratos que constituem uma aposta na valorização das bases ou origens da cultura gastronómica endógena de Timor-Leste, através da utilização preponderante (e muitas vezes exclusiva) de produtos e ingredientes locais", refere, na introdução.

"É um grande passo para criar uma genuína gastronomia timorense, com base nos ingredientes e com sabor de Timor", disse Luís Simões à Lusa.

São exemplos destes produtos o coco, utilizado em pratos doces ou salgados, sob a forma de leite, óleo ou ralado, mas também o gengibre; o café Timor, "uma das bebidas mais consumidas e apreciadas" naquele país; as limas; as bananas, "nas suas múltiplas variedades", e as malaguetas.

Mais do que fazer uma recolha de receitas tradicionais, Luís Simões procurou utilizar o "passado e a tradição" como "referência para recriar, reinventar e descobrir novas e improváveis combinações de cores, fragrâncias e sabores que projetem para o mundo a imagem de um povo conhecedor e respeitador do legado cultural e gastronómico dos seus ancestrais, mas também suficientemente arrojado para experimentar e inovar, num mundo cada vez mais ávido de novidade e de descobertas".

O livro propõe receitas de pratos de carne, peixe, vegetarianos e sobremesas, sem esquecer sumos e chás gelados, que "ajudam os viajantes mais desprevenidos para as inclemências do calor a desfrutar, de forma prazerosa, do muito que Timor-Leste tem para oferecer a quem o visita".

O 'chef' procura promover uma alimentação mais saudável, uma tarefa em que também se tem empenhado no programa de culinária "Sabor a Timor", que apresenta desde 2017 na primeira estação de televisão privada de Timor-Leste, a GMN Tv.

Contrariar o recurso sistemático à fritura dos alimentos como forma de confeção, recusar a utilização frequente de intensificadores de sabor, como o 'masako', sempre presente nas cozinhas timorenses, e diminuir o consumo excessivo de açúcares e adoçantes são preocupações presentes nas receitas que Luís Simões preparou.

O livro conta com um prefácio de Xanana Gusmão, antigo Presidente e primeiro-ministro de Timor-Leste, que alerta para a necessidade de não se deixar perder a cozinha ancestral.

"Ao longo dos séculos a gastronomia no território foi-se também ela ajustando às circunstâncias naturais, às influências externas, à conjuntura social... Não obstante, há um fio condutor que nos permite, ainda, lá bem de longe, ouvir o murmurar de receitas e preceitos antigos (... ) A condição rural e ancestral de muitas das nossas comunidades permitiu que essas tradições nos chegassem tão intactas quanto possível", afirma Xanana Gusmão.

O histórico líder timorense avisa: "Não há, por isso, tempo a perder. Num tempo novo como este, em que a comunicação e a circulação se começa a fazer à velocidade de outras culturas mais urbanas, há um risco objetivo de que tesouros culturais deste tipo se percam, por falta de prática, de partilha, pela perda da antiga contemplação que permitia apreciar e valorizar a cozinha demorada e apurada dos avós".

"Todos os povos têm as suas tradições gastronómicas e Timor-Leste, claro, não é exceção. Desde sempre que as famílias se juntam em torno do conforto do lume, onde algum tipo de alimento é preparado para partilhar entre todos", refere.

E, em Timor-Leste, "o arroz chega sempre para mais alguém", até porque "poucos povos serão tão generosos quanto o povo de Timor-Leste quando chega a hora da refeição", garante Xanana Gusmão.

Esta é a segunda obra de Luís Simões, de 28 anos, que há dois anos lançou "Sabores da Lusofonia".

O livro "Sabor de Timor" é apresentado esta quarta-feira, em Lisboa, no Camões -- Instituto da Cooperação e da Língua, seguindo-se apresentações na Praia de Mira, de onde o autor é natural, no dia 08 de junho; no Porto, na Associação Tane Timor, no dia 10; na Escola de Hotelaria de Coimbra, no dia 11, e na Biblioteca Municipal de Ponte de Vagos, no dia 12.

O lançamento em Timor deverá ser no início do julho.

Fonte https://www.noticiasaominuto.com/lifestyle/1023559/cozinheiro-portugues-procura-promover-genuina-gastronomia-de-timor

sábado, 19 de maio de 2018

Klamar Aswa'in

Klamar Aswa'in

Hanoin hikas tempu uluk
Haksolok-an iha pureza
Iha natureza nia fanun
Hateke ho matak-malirin no solenente

Hanoin hikas hakat kma'an
Sama ba rai metin
Laloran tasi lian, ho anin nia hu'u
Rona-ho manu-lin nia knanuk melodia

La haluha o nia haku'ak domin
Ho isin kulit agreste
Espetativa nian nonok
No desperta inesperado

Hanoin ba udan, loron, anin, suar...
Nudar lian ba hau nia companhia
Tahan-metin hau nia laran susar
Hau nia unika sinfonia

Hanoin hias ba ta'uk, ba ansiedade, ba presaun nia perigu
Halais liu ba oin...
Fanun Aswa'in husi dukur
Aswa'in despercebido

Oras ona atu hasoru
Oras ona atu luta
Oras ona atu satan/defende
Ho hau nia Klamar Asw'ain

Manan Liberdade
Hanoin hikas hau nia kanoik
O nia kanoik, ita nia kanoik
Avo sira nia knanoik

Kanoik ita nia rai Inan
Kanoik Emar Maubere nian
Kanoik Timor Lorosae

Dalia Kiakilir 
in Timor Alma Guerreira!...e assim nasceu uma nova Nação!
Oxford, 19 de Maio de 2013



TIMOR Klamar Aswa'in! Nune'e Moris Nasaun Foun Ida!

Klamar Aswa'in Maubere
Ita moris mai atu sai livre, no, wainhira iha forsa estranhu ruma ka alheia ba nia vontade ameasa halakon ita nia liberdade, forsa ita nia klamar umana halo buat hotu no sakrifisiu tomak, atu liberdade ne’e iha nia fatin, metin iha fatin a’as. Kbi’it perseverança, fiar no determinasaun mak xave-mestre ba ita nia Independensia. Nune’e mak ita foti-oin, nune’e mak ita manan, nune’e, ohin Republika Demokratika Timor-Leste moris, no, nune’e mak moris Nasaun ida. 

Tinan 24 nia laran Timor no Timoroan sira hotu terus tamba hakarak justisa divina iha nia moris, luta hasoru okupasaun Indonesia. Direitu autodeterminsaun sosa ho osan folin a’as, ema rihun mak selu ho nia “vida” rasik tamba laran-metin ba Paz no Liberdade. Genocidio nebe mak povo ne’e terus fanun mundo nia haluha no dukur iha tempu naruk.

La’os ona incognita. Funu nia rohan to’o iha Nasaun Unida (ONU) nia kna’ar hodi fo oportunidade ba Povo Timor atu hili nia destino rasik liu husi dalan REFERENDUM: SIMU ka LA SIMU proposta Autonomia Espesial ho Indonesia? Maske iha presaun nia laran husi forsa pro-otonomista no grupu milisia sira, povo Maubere expressa nafatin nia vontade metin, no nune’e, povo nia lian rona mesmo iha “debaixo de fogo”. Consequentemente Konsulta Popular realiza duni iha loron 30 fulan Agostu tinan 1999. Maioria esmagadora, 78,5%, votante sira LA SIMU autonomia, no loke dalan ba Ukun-rasik-an.

Hafoin rona rezultau REFERENDUM, laloran terror falun no sunu-uma premeditado hahu iha Timor laran tomak. Timor-Leste “Terra Queimado”. Maioria infraestrutura naksobu. Ema barak lakon no laiha uma, no ema rihun lakon sira nia vida.

Atu hatan hasoru krize ne’e, ONU hahu ho autoriza forsa INTERFET hodi restaura ordem no estabelese administrasaun transitoria UNTAET iha Timor-Leste. Hafoin tinan tolu liu, loron 20 fulan Maiu tinan 2002, Timor-Leste, oficialmente, restaura hikas nia Independensia. No nune’e mak moris Nasaun foun ida, Nasaun Timor-Leste!

Haksolok ba Loron 20 Maiu 2002
Parabens no rahun diak ba TIMOR-LESTE!
A luta continua!

Dalia Kiakilir 
Oxford, 19 Maiu 2018